João Paulo II no Brasil

O Papa João Paulo II esteve no Brasil quatro vezes.

Na primeira, em 1979, passou apenas pela cidade do Rio de Janeiro.

Em 1980, entre 30 de junho e 11 de julho, ainda ágil e atlético aos 60 anos, Karol Wojtyła impressionou ao beijar o chão ao chegar a Brasília. O pedaço de concreto beijado, com 20 centímetros quadrados, foi cuidadosamente retirado e preservado. A música composta para a viagem, “A Bênção, João de Deus”, caiu no gosto popular (e até hoje é cantada pela torcida do Fluminense durante os jogos).

Naquela ocasião, o Papa visitou 13 cidades em 12 dias e percorreu cerca de 10 mil km. Em Brasília, rezou missa para 2,5 milhões de pessoas na Esplanada dos Ministérios. Recebido pelo então presidente militar João Figueiredo, teve encontro com Lula e sindicalistas em São Paulo, além de contatos com trabalhadores. Era a primeira vez que um Papa vinha ao Brasil, maior nação católica do mundo.

Em 1991, ele visitou o país entre 12 e 21 de outubro. Com a saúde ainda boa, o Papa percorreu dez capitais e fez 31 pronunciamentos. Fernando Collor de Mello era o presidente.

À época, o Brasil já percebia o crescimento das igrejas evangélicas, o que levou João Paulo II, em pronunciamento em Natal (RN), a exortar os fiéis a uma “ação mais eficaz contra a ignorância religiosa” e a “carência de doutrina” que supostamente deixariam o povo vulnerável “à sedução das seitas”.

Na visita, João Paulo II beatificou a Madre Paulina do Coração Agonizante de Jesus, nascida na Itália e que viveu no Brasil a partir dos 16 anos. Ela seria canonizada em 2002. No dia 12 de outubro, festa de Nossa Senhora Aparecida, ele aproveitou, como disse, “a oportunidade de novamente beijar o solo e abraçar emocionado esta Terra da Santa Cruz”.

Em 1997, com a saúde já debilitada, o Papa esteve no país, presidido por Fernando Henrique Cardoso, entre 2 e 5 de outubro, apenas no Rio de Janeiro. Ele reconheceu sua “música-tema” durante discurso no Riocentro, para 2 milhões de pessoas. Com seu português carregado, que já começava a perder a clareza em função da saúde frágil, João Paulo II surpreendeu os brasileiros ao declarar-se carioca, gaúcho e baiano. “Se Deus é brasileiro, o papa é carioca”, disse ele, de improviso, em discurso no 2º Congresso Teológico Pastoral, no Riocentro. “Em Porto Alegre dizem que é gaúcho, na Bahia, também (que ele é baiano).”

Recebeu o cantor Roberto Carlos e sua terceira mulher e presenteou-os com rosários. Mas já não teve forças para beijar o solo.

Em 1999, no Vaticano, João Paulo II prometeu ao então presidente Fernando Henrique uma nova visita ao Brasil, que não aconteceu.


Compartilhe com os seus amigos:




Copyright 2014 © Amigos de João Paulo II - Todos os direitos reservados